Facebook YouTube Contato

Barboooosa

Joaquim Barbosa botou as manguinhas de fora. Lembrou que a toga não lhe prende há três anos, que é um cidadão pleno, observador atento da vida brasileira, inclusive às pesquisas de intenção de voto, e que vem refletindo sobre a possibilidade de ser candidato a presidente da República, já tendo conversado com duas legendas.

Até aí, nada demais. Igual ao ex-ministro, o que não falta é gente pensando no assunto. A favor dele conta a transparência. Dos muitos que sabidamente namoram a possibilidade, poucos declararam publicamente – e convém recear sempre o joão-sem-braço.

O que não soa bem é um argumento. Assim falou Barbosa: “Veja bem, a Constituição brasileira prevê eleição indireta. Mas eu não vejo tabu de modificar Constituição em situação emergencial como esta para se dar a palavra ao povo. Em democracia, isso é que é feito.” Sim. Foi exatamente o que Hugo Chavez fez na Venezuela.

É inegável que Joaquim Barbosa tem serviços prestados, notadamente no caso do mensalão, quando presidia o STF. A bem da verdade, vale lembrar que Delcidio do Amaral e Osmar Serraglio, respectivamente presidente e relator da CPMI dos Correios, que abriu o embrulho para o Brasil, também têm.

Mas a lembrança de alguns detalhes do caso somada à afirmação de que ele não vê tabu em rabiscar o Livrinho em caso de emergência, nesta espinha causa arrepios.

A primeira passagem que me vem à cabeça é o da famosa sessão em que o advogado Luiz Fernando Pacheco foi expulso do plenário. Escrevi à época e está aqui para quem se interessar. Resumindo, havia um assunto em que a Lei impõe precedência e o presidente do Supremo Tribunal Federal ignorou propositalmente, chegando a teimar depois de alertado.

Para mim é grave. Muito. Não quero imaginar alguém que une declarações e atitudes assim no terceiro andar do Palácio do Planalto. Tá puxado. Vou assistir TV Pirata que com o Latorraca eu ganho mais.

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
3 Comments  comments 

3 Respostas

  1. LUIZ FERNANDO PACHECO

    Léo, o homem é muito autoritário, talvez daí o seu desamor ao livrinho.
    Mas a grande mancada de ontem foi o Barroso, em discurso no STF, a pretexto de elogiar Joaquim, tê-lo qualificado como NEGRO DE PRIMEIRA LINHA!
    VEM METEORO!

  2. Leo Coutinho

    De fato, Pachecao. Abraço