Blog do Léo Coutinho - O marqueteiro da rainha
Facebook YouTube Contato

O marqueteiro da rainha

Existe spoiler para a História? A rigor, não. Quem assistiu JFK e comentou com os coleguinhas que o presidente americano é assassinado, não pôde ser acusado de estragar a surpresa.

Por outro lado, raras passagens históricas são tão conhecidas quanto o atentado em Dallas. Da que segue, pelo menos, eu nunca tinha ouvido falar. E note que sou do ramo. De modo que, por via das dúvidas, esteja avisada, freguesia: as próximas linhas contém spoiler sobre a nova temporada de The Crown.

House of Cards e Felizes para Sempre?

O caso é o do John Grigg, jornalista e político inglês colecionador de fracassos até 1957. Em sintonia fina com a fórmula ilhoa do êxito, que o Churchill encerrou dizendo que “sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder o entusiasmo”, o então irrelevante lorde Altrincham desconta seu tédio num artigo contra a rainha.

Seu jornal tinha circulação medíocre. Os proletas (obrigado, Francis) da redação não o levavam a sério. Mas o artigo incluía algo raro: ataques pessoais à rainha assinados por um nobre e num momento de fragilidade. Foi o que bastou para viralizar. Nenhuma primeira página inglesa ignorou o fato.

Os súditos não gostaram do que leram. Mas numa entrevista a um talk-show na TV, Grigg virou o jogo, mostrando que não estava contra a Coroa – muito pelo contrário, sua intenção era sacudir e arejar a instituição.

Com habilidade, sua alteza arranjou um encontro secreto com o algoz e anotou suas considerações. A mensagem real de Natal e daquele ano pela primeira vez foi televisionada, num cenário de intimidade que vigora até hoje no marketing político. E a realeza passou a tratar a “gente comum” por “trabalhadores” e recebe-la para almoços com pompa.

+ Negroni, Netflix, dois Tarantino e o Brasil

Segundo The Crown, anos depois a Coroa reconheceu o encontro e a adoção das sugestões. Mais recentemente Grigg foi aclamado como escritor pela biografia em três volumes do primeiro ministro David Lloyd George. Morreu em 2001, aos 77 anos. Nesse meio tempo, renunciou ao título de nobreza – ornamento inútil para uma figura assim. Pouca coisa pode ser mais nobre do que servir à Coroa com altivez e de propósito.

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments