Facebook YouTube Contato

Meu candidato a deputado federal e por que

Saneamento básico talvez seja o nosso maior problema estrutural. A sociedade pede Saúde e Educação, mas o organismo de uma criança que sofre duas diarreias na primeira infância faz tamanho esforço para sobreviver que compromete para sempre a formação do cérebro. Depois disso não há Sírio Libanês e Harvard que resolvam.

Metade dos domicílios do Brasil não estão ligados a rede de esgoto, aumentando muito a chance desse cenário se perpetuar.

No orçamento há dinheiro para saneamento. Ocorre que, muitas das vezes, deputados federais bem intencionados chegam à Brasília despreparados. Querem fazer mas não sabem como trabalhar as emendas que ajudariam seus estados e municípios.

O meu deputado federal, que foi prefeito de Santos e é referência nacional em saneamento básico, sabe. Chama-se João Paulo Papa 4522.

E faz um trabalho abnegado. Reconhece os bons pares, explica como buscar as verbas, traz os colegas a São Paulo e consegue da Sabesp transferência de tecnologia para outros estados e cidades. Abnegado porque, sendo em outros estados, não rende sequer um voto para ele – que persevera.

Para além disso, Papa cuida muito bem do seu quadrado. Quando assumiu a prefeitura de Santos, encontrou um déficit altíssimo em creches. O dinheiro disponível para resolver o problema só daria para o investimento em construção de novas unidades ou custeio. Para ambos, não daria. Cobertor curto.

Papa usou da criatividade. Notou que diversas entidades não governamentais já tinham a estrutura necessária, mas não conseguiam se sustentar. Firmou as parcerias e zerou a fila de creches.

Também lutou muito pelo turismo. Seu projeto da Marina Porto de Santos, que transformaria o nosso maior porto ao modelo do que foi feito em Puerto Madero, na Argentina, contou com a colaboração de gente da melhor qualidade, como o navegador Amyr Klink. Desnecessário dizer como seria bom para Santos e para todo o Brasil esta realização.

Infelizmente até hoje não saiu do papel. Por quê? Brasília, que é dona do porto, não deixa. E as investigações em curso mostram bem por que.

#SaneamentoBásico e #Turismo = #EMPREGO

Ter um ex-prefeito como deputado federal é essencial para fortalecer os municípios, trazer as decisões para perto da sociedade, que sabe do que precisa e pode fiscalizar muito melhor.

Mais recentemente, Papa conseguiu outra vitória importante. Em 1908, com a primeira imigração japonesa, a colônia construiu uma escola para suas crianças. Por conta do idioma, teriam dificuldade em se adaptar às escolas disponíveis.

Foram bem até a segunda guerra. Com o Japão derrotado, suas colônias foram perseguidas no mundo inteiro. Em Santos, os descendentes de japoneses foram expulsos e tiveram bens confiscados, incluindo a escola, que virou centro de alistamento do Exército.

Anos depois, diplomacia concluída, Brasil e Japão voltaram a ser nações amigas e a parte da colônia japonesa retornou a Santos. Conseguiram reaver seus bens, exceto a escola. (O Exército, quando entra num lugar, cria tamanho apego que não quer mais sair.)

Procurado pela comunidade japonesa, Papa elaborou o projeto de lei que devolveria a escola aos seus criadores. Não foi fácil. Sendo oposição a Eduardo Cunha e Michel Temer, não conseguia que o texto entrasse na pauta. Chegou a levar o embaixador japonês ao Plenário, e Cunha resistia.

Então veio outro lance de criatividade e senso de oportunidade fundamentais a um parlamentar. O presidente Temer voltava de missão oficial ao Japão, onde fora muito bem tratado. Papa foi à chefia de gabinete e disse o óbvio: recebido como um príncipe pelas crianças de uma escola em Tóquio, o presidente tem uma chance ímpar para retribuir. O projeto passou e foi sancionado. A escola é de novo da comunidade.

Por tudo isso e muito mais, voto e recomendo João Paulo Papa para deputado federal: 4522.

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments