Facebook YouTube Contato

João, Jair e as facadas

Duas facadas marcaram o primeiro turno das eleições de 2018. A primeira, em Juiz de Fora, atentou contra a vida do candidato Jair Bolsonaro. A segunda, no estado de São Paulo, acertou Geraldo Alckmin.

Há diferenças essenciais entre uma e outra. Adélio Bispo atacou pela frente. João Doria, pelas costas. O ferimento em Bolsonaro foi físico, ele teve a sorte de ser prontamente socorrido pela Santa Casa e se recupera bem. Saravá! Alckmin, ferido na alma e nas urnas, talvez jamais se recupere.

Nelson Rodrigues atribuía a Roberto Marinho uma frase que é excelente conselho: “Prefiro ser traído a desconfiar de todo mundo.” Procuro exercer e recomendo.

Mas admito que no plano doméstico o verbo preferir pode soar exagerado. Se viver desconfiado das pessoas queridas é o inferno na terra, a traição dentro de casa é ferida que nunca fecha, notadamente se acontece por motivo torpe, como sanha eleitoral.

A facada de João Doria em Geraldo Alckmin acontece em três tempos. Começa quando o ex-prefeito, politicamente apadrinhado pelo ex-governador, logo que empossado mete o louco e inicia campanha nacional para a Presidência da República, causando, além do constrangimento da traição aos olhos de todos, abalo à imagem de seu fiador.

Frustrado o plano A, principalmente pelo declínio da popularidade entre o eleitorado abandonado, o plano B se revela a segunda etapa da punhalada. Candidatando-se a governador, deixou o padrinho com dois palanques, ou um pé em cada canoa, e sabemos como acaba quem pisa em canoas distintas que se afastam.

Para piorar, a parte B-2 da traição foi atacar abaixo da linha da cintura Márcio França, atual governador de São Paulo, que foi vice de Alckmin leal e discreto, e articulador da aliança ampla que elegeu Doria prefeito. Mais constrangimento para Alckmin, que aos olhos dos simpatizantes do afilhado, não teria sido capaz de escolher o próprio vice.

A conclusão da traição vem com a chapa bolsodoria, ajudando a enterrar a campanha de Geraldo Alckmin no estado que o elegeu por quatro vezes. A candidatura de Alckmin acabou na quarta colocação, tanto no Brasil quanto em São Paulo, abaixo de 5% e de 10%, respectivamente. É claro que outros fatores contribuíram, porém são todos digeríveis.

Não satisfeito, Doria ainda sapateou sobre o caixão, acionando o plano “Miami-Orlando”. Na primeira reunião dos tucanos, realizada dois dias após o primeiro turno, ensaiou defesa da tese exposta por Orlando Morando, prefeito de São Bernardo do Campo, de abreviar o mandato de Alckmin na presidência do PSDB.

Voltando a chapa bolsodoria, a torpeza do cálculo, logo identificada pela tropa, levou à recusa do apoio. Primeiro colocado para o Senado em São Paulo e aliado do ex-capitão, Major Olímpio gravou vídeo desancando o oportunismo, rechaçando o apoio e lembrando que, em passado recente, Doria desprezava Bolsonaro.

O militar pode não conviver muito com seus cachorros de Angra dos Reis, até porque tinha a Val do Açaí para trata-los, mas deve lembrar da frase de outro Roberto, o Jefferson: “Não brinco com cachorro que já mordeu a mão do dono.”

Jânio Quadros, onde estiver, que se cuide. Seu legado de demagogo-mor sem limites para criação de factoides, cujo auge foi o auto-golpe que descambou para a ditadura militar, está seriamente ameaçado pelos candidatos líderes nas pesquisas em São Paulo e no Brasil, João e Jair.

Esta crônica é uma homenagem a Moa do Katende, mestre de capoeira assassinado na Bahia na madrugada da segunda-feira 8/10/18, aos 63 anos, com doze facadas desferidas por um apoiador de Jair Bolsonaro.

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
No Comments  comments 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>