Facebook YouTube Contato

Dialética municipal

A proposta de diminuir o número de municípios brasileiros foi apresentada sob um critério claro: os que tiverem até cinco mil habitantes e arrecadação própria inferior a 10% da receita total, deverão ser somados em grupos de até quatro vizinhos, furando o piso proposto.

O prazo previsto para que as prefeituras apresentem seus números é 2023 e a largada para as unificações, 2025. O número de habitantes será verificado no Censo 2020.

Claro que tudo depende de política, entendimento, conversa, acordo. Estima-se que sejam aproximadamente 1200 municípios com menos de cinco mil habitantes. O pódio é alarmante. Os três municípios com menos número de habitantes são Serra da Saudade (MG), com 781, Borá (SP), com 837 e Araguainha (MT), com 935. E vale lembrar que, dentro de um ano (salvo engano), haverá eleições municipais.

O curioso na proposta é a dialética implícita no pacote – ou embrulho, no todo – apresentado pelo Governo Federal. O mote é “Mais Brasil, Menos Brasília”. Descentralização, portanto.

Mas, mas… Fundir municípios não seria uma forma de centralização? Sim, seria. Pode ser positivo? Sim, pode. Mas para fazer sentido, o corte centralizador deveria vir acompanhado de outro descentralizador.

Ora, se não tem cabimento existir uma cidade que não consegue arcar sozinha com 10% de sua despesa manter Executivo, Legislativo, assessoria e burocracia, distritos de grandes cidades que têm população e economia muito acima do piso proposto também deveriam ser contempladas com alguma forma de autonomia.

Paraisópolis, por exemplo. Temos duas, pelo menos. Uma fica em Minas Gerais e é município com aproximadamente vinte mil habitantes. A outra é um bairro da capital paulista que há dez anos contava 42 mil moradores. Tem até moeda própria e ai do fiscal do Banco Central que aparecer para dizer que não pode.

Não conheço a cidade mineira, mas já estive algumas vezes no bairro paulistano. Seu principal problema é representatividade política. Dependem, igual a todos os bairros, de uma subprefeitura completamente subordinada à Prefeitura. No caso é a sub do Campo Limpo, que abrange Capão Redondo e Vila Andrade, somando 600 mil habitantes.

Só 48 municípios brasileiros concentram mais de 500 mil habitantes, sendo 25 deles capitais. Fica difícil defender que Paraisópolis ou, vá lá, a subprefeitura do Campo Limpo e similares, não tenham maior autonomia administrativa, principalmente orçamentária.

Supondo que passe o corte mínimo de cinco mil habitantes e 10% de receita própria para ser município, me parece justo e lógico que tenhamos o corte máximo, quiçá cem mil habitantes em homenagem à favela da Rocinha, com os mesmos 10% de receita própria para ter autonomia administrativa. Os recursos extras viriam da distribuição baseada num cálculo que contemplasse fatores desde população até necessidades locais, regionais, municipais e metropolitanas.

No caso dos municípios a serem fundidos, o melhor caminho parece ser a formação de consórcios intermunicipais, com Executivo e Legislativo sediados no vizinho mais rico, maior, mais antigo ou como queiram, e que cada um dos quatro criasse um conselho deliberativo de participação – que, aliás, está em Brasília aguardando decisão sobre constitucionalidade.

O ideal seria que tivéssemos uma legislatura para cuidar exatamente do tema, mas pouca gente se dá conta e seguem fazendo as coisas via PEC. Tão importante quanto seria inverter a ordem das reformas, começando pela política, que melhoraria a forma de escolha dos nossos representantes. Mas isso talvez seja querer demais da Nação brasileira.

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
No Comments  comments 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>