Facebook YouTube Contato

Lula, Zero Um e Moro no STF

O placar foi 6X5. Apertado, portanto. Ou por outra obviedade: se apenas um dos onze ministros votasse diferente, ainda seria 6X5, só que pro outro lado. Isto é: tanto faz se achamos junto ou injusto o resultado. Seja lá como for, não cabe reclamar do Supremo como um todo.

Se suas excelências, que a rigor gozam de notório saber jurídico, assim divergem, eu é que não me meto a debater o mérito. Mas a politização e principalmente a fulanização da questão é importante criticar.

Infeliz e temerariamente o debate público ficou em torno de Lula preso ou Lula livre. Os partidários do Lula preso não se dão conta de que, se a decisão agora foi política, o entendimento anterior necessariamente também era, e assim teria prendido e tirado da campanha eleitoral um líder popular, configurando grave atendado à democracia.

E os partidários do Lula livre, como estariam se portando caso o 6X5 fosse pela manutenção da jurisprudência anterior? Estariam defendendo a legitimidade do STF? O funcionamento das instituições? Duvido.

Os próximos dias dirão o tamanho do respeito que cada lado tem pelo Poder Judiciário. Para o dia 21 de novembro está prevista a votação sobre o uso de informações do velho COAF em processos judiciais. Igual à prisão já na segunda instância, que não começa com Lula, tal questionamento não começou com Flávio Bolsonaro, mas será nele fulanizado. No recesso, Dias Toffoli canetou sozinho suspendendo os processos que contavam com informações colhidas pelos órgãos de controle de atividade financeira suspeita. Agora o plenário deve falar.

E também na segunda quinzena de novembro a segunda turma do STF deverá dizer se o ministro Sérgio Moro é ou não suspeito no julgamento do triplex. Ninguém sensato, depois da Vaza Jato / TIB, sustenta que o então juiz foi isento. Mas não falta quem diga, sem qualquer pudor, que se foi para prender o Lula, valeu a pena.

Enfim, 2019 complicado aqui e alhures. E tem tudo para piorar.

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments