Facebook YouTube Contato

Terra

Crônica publicada na #34 edição da revista Amarello – Terra que está nas bancas, pelo site http://www.amarello.com.br ou whatsapp 11-982770764

 

No princípio era a verba. A terra. A terra era a verba, o capital. E o dono da terra era o senhor. Há quem diga que uma maçã fora de hora era motivo para expulsão. Minha terra, minhas regras.

Com o tempo as coisas mudaram. Não que os donos da terra tenham assentido. Mas das transas entre os expulsos, os preteridos, nasceram novidades. Ciência, tecnologia. Surgiu a máquina, que virou capital.

A partir daí a velocidade e a potência de tudo aumentou muito. Inclusive o tempo passou a ser capital. E a indústria já não dependia só da máquina. O poder de transformar a cultura passou a reger o capital. Principalmente quando os homens se valiam de máquinas para brigar por terra, regia o baile quem detinha o poder transformador da cultura.

Na História, os parágrafos acima são inversamente proporcionais. O primeiro dura milênios. Os demais foram um suspiro. Literalmente um suspiro, intangível, imprevisível, inexorável.

E do suspiro fez-se a ofegância, que é o suspiro acelerado, potencializado em sua intangibilidade, imprevisibilidade e inexorabilidade. Ninguém está livre dela. Seduzidos pelo conforto proporcionado pela evolução, nos encontramos num limbo nem-nem: nem conseguimos religação com o passado, nem conseguimos aguardar o futuro.

Se antes faltava terra para alguns, depois máquinas para outros, hoje pode haver casa, comida, roupa lavada e informação para todos. Ar, para ninguém – o que agrava o problema histórico da repartição básica.

O capital está morto. Sublimado em forma de dados. A terra sem dados não tem valor. Assim como a máquina. Ou a cultura. E até o dinheiro que um dia foi líquido, ora é gasoso. Os dados sabem mais das pessoas do que as próprias pessoas.

Estamos na era do capital gasoso, que é energia, sem dúvida, mas também é tóxico. Quer dizer: já não podemos viver sem ele, mas precisamos de ar para sobreviver. Desesperadamente precisamos de ar para continuar na Terra.

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments