Facebook YouTube Contato

Pedaaaala, Robinho

O bom de ser santista é não precisar acompanhar a transmissão das partidas. Em nossa torcida, tão seleta e elegante, raros são os tipos que gritam na janela a cada gol, e inexistem aqueles que xingam os adversários ou a arbitragem. Logo, se a cidade está em silêncio, a alva e gloriosa camisa praiana está cumprindo seu destino de brilhar, jogue onde jogar. Findo o tempo regulamentar, basta conferir os melhores momentos.

É sempre bonito ver o alvinegro praiano em campo, mas de quando em vez surge uma turma que alcança o sublime. Desnecessário citar Pelé, que talvez tenha influenciado a geração atual de torcedores a preferir os melhores momentos. Mas falo da dupla Diego e Robinho, um colosso que surgiu não faz muito tempo.

Robinho especialmente era um bailarino sobrenatural. Seus dribles desafiavam a realidade. Estavam além do fenômeno, que é aquilo que se constata e pode-se explicar. Não demorou, surgiu a necessidade de uma definição nova para o que ele fazia. Não era mais drible. Robinho pedalava.

Pedaaaala, Robinho!

Pois então. Na segunda-feira soubemos que em 2019 o governo federal estourou o famigerado teto de gasto em R$ 55 bi. O mercado e a imprensa estão chamando de drible fiscal. Sabemos o que pode acontecer com um governo se, qual aconteceu com Robinho, passarem a chamar de pedalada fiscal.

Dava para encerrar por aqui. Mas vale uma nota sobre o olhar dos nossos governantes sobre as prioridades de destino dos dinheiros do Tesouro.

Quando sob Temer inventaram o teto de gasto, meteram uma exceção para capitalizar estatais que eventualmente precisassem de socorro, como Petrobrás, Eletrobrás, Caixa Econômica. Note: o investimento social, educação, saúde etc., estava submetido ao teto. Capitalização de empresas, não. Podiam chamar de emenda vitamina B3.

Daí que botamos R$ 7,6 bi (quase oito bilhões de reais) extraordinários para construir corvetas para a Marinha, ao mesmo tempo que é necessário discutir e aprovar no Congresso R$ 10 mi (dez milhões de reais) para resgatar e proteger em quarentena os brasileiros que estão na China com suspeita de coronavírus.

Noves fora o presidente da República ter cogitado driblar o resgate abandonando na China nossos patrícios, mas estar confortável em estourar o teto fazendo corvetas, quando tamanha inversão de valores se naturaliza alguma coisa está muito fora da ordem.

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments