Facebook YouTube Contato
Home Cultura Archive for category "Literatura"
formats

Portugal e a tarefa doce de abraçar seus filhos

No sábado dez de junho o relógio contou 28 horas. Era o Dia de Portugal, Dia de Camões e das Comunidades Portuguesas. Começou no Porto, passou por SP e terminou no Rio. Celebrei no Teatro Municipal de São Paulo a convite de um fidalgo lusitano chamado Tomaz Capitão, meu amigo querido. Errei no traje mas

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
No Comments  comments 
formats

Oswaldinho e O Alienista

-       Muito prazer. Osvaldo Lara Vidigal. Todo Lara é louco, todo Vidigal é ladrão. Contam que o lendário pandego Oswaldinho Vidigal se apresentava assim, para horror da nobiliarquia paulista. Ficou famoso, entre outras façanhas, por ferver a piscina da Sociedade Harmonia de Tênis com quilos de Alka Seltzer, confundir o diabo Sérgio Paranhos Fleury botando

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

Sou brasileiro e não rompo

A TV Globo vem fazendo um trabalho fundamental. Assisti a alguns capítulos da minissérie Os anos eram assim e gostei muito. Ontem, por conta do TSE, fiquei ligado até tarde e, no programa do Pedro Bial, tive a grata surpresa de ver uma plateia jovem aplaudindo a Clarice e Ivo Herzog, viúva e filho do

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

H.L.Mencken

Se você leu até aqui, freguesa, merece uma recompensa. Para você, H.L. Mencken com tradução do Ruy Castro: “Talvez a mais valiosa de todas as propriedades humanas, depois de um ar de empáfia e superioridade, seja a reputação de bem-sucedido. Nenhuma outra coisa torna a vida mais fácil. Em 90% dos casos – e em

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

Das barrinhas de cereal para as barras do tribunal

Revoltados, brasileiros de norte a sul querem rever o acordo de delação dos irmãos Joesley, ora conhecidos como Freeboi. Sou contra. Como dizem, combinado não é caro nem barato. O nego foi à Justiça e entregou 1.829 políticos, incluindo três que posaram com a faixa presidencial e um que escapou por pouco. Pela ordem, Lula,

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

O único macho é o Zé Dirceu

Por aqui, demorou para cair a ficha. O Brasil fez piadas, muitas delas boas, sobre o depoimento do Lula. Eu mesmo soltei uma, com a tinta do molusco original se espalhando na água para confundir os predadores. Mas só depois de alguns dias a compreensão do que foi o tão esperado episódio da Lava Jato

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

Palmas para Barbara e Varella

Vira e mexe me pego entusiasmado para elogiar alguém. E é quase irresistível meter um “é o melhor”, “predileto”. Talvez seja comum de todos nós essa tendência ao superlativo. Em mim é recorrente, admito. Meu freio se chama Vinicius de Moraes. Vão dizer que o Poetinha era exagerado em tudo. Cachaça, cigarro, mulher, amizade, comida.

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

CCC (atualizações)

O auge da sigla foi durante a ditadura militar. Consta que o governo contava tanto com a milícia que chegava a oferecer treinamento militar ao grupo formado por jovens simpatizantes do regime. Era o Comando de Caça aos Comunistas, mais conhecido como CCC. Jorginho Guinle, o pequeno-grande playboy brasileiro, deixou em suas memórias uma versão

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

Caju

A propósito do foro privilegiado, Romero Jucá disse, na tribuna do Senado, que “se acabar o foro, é pra todo mundo. Suruba é suruba. Aí é todo mundo na suruba, não uma suruba selecionada”. Em 1947 Vinicius de Moraes, poeta e diplomata, servia nos Estados Unidos, e fez em Hollywood o Soneto ao Caju, que

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments