Facebook YouTube Contato
Home Cultura Archive for category "Literatura"
formats

Parabellum

A série Presidente da Semana, produzida e apresentada pelo Rodrigo Vizeu, editor-adjunto de Poder, na Folha, é obrigatória a que pretende entender o Brasil. Chegando sempre às segundas-feiras o poscast está a cada semana mais interessante. O do Washington Luís é uma pérola. Em tempos de tentativa de proibição de sátira sobre candidatos e apelidos

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

Senhores e escravos

O episódio sobre Hegel na série Merlí é o mais animado. Ou picante, dependendo do ponto de vista. E igual a todos os outros este consegue introduzir o pensamento dos filósofos apresentando os conflitos entre os personagens. Talvez coubesse uma música do Caetano Veloso, nego liberado que já lamentou em sua obra estar condenado a

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

De repente não mais que de repente

Crônica publicada no Esquina/Estadão em 30/05/2018 De repente não mais que de repente, você precisa aumentar a autonomia do seu carro, seja em tempo de funcionamento do motor para superar um congestionamento ou na distância que ele é capaz de percorrer. Ainda: considere que não é só você que precisa de mais autonomia, mas a

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

Falta lirismo à tristeza atual

Achei no iPod um disco da Maysa. Mais triste que um livro inteiro da Clarice Lispector. Que alegria! Destaque para as canções da Dolores Duran e do Antonio Maria. Pela ordem inversa, Manhã de Carnaval e Noite de Paz, também conhecida como a melô do Tinoco, como carinhosamente apelidei o Stilnox. Que maravilha é encontrar

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

Pode celebrar: O conservadorismo é menor do que parece

Nelson Rodrigues se dizia reacionário e a turma acreditava. Ao mesmo tempo provocava a sociedade com sua dramaturgia e literatura diária. Escandalizava a gauche e a droite. Apanhava a torto e a direito. No próximo carnaval vamos celebrar o centenário do desfile que marcou sua infância. Aos seis anos de idade, em 1919, Nelson viu

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

A República, qual república?

Parte desta freguesia já sabe que sou calouro de Filosofia no Mackenzie. Comecei recentemente, coisa de um mês. Os amigos mais sintonizados com o glossário acadêmico perguntam: é graduação? Sim, é graduação. Isto é, aquilo que a turma costuma chamar de “fazer faculdade”. E sim, é minha primeira vez. Parênteses: a careca vem sendo providenciada

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

O marqueteiro da rainha

Existe spoiler para a História? A rigor, não. Quem assistiu JFK e comentou com os coleguinhas que o presidente americano é assassinado, não pôde ser acusado de estragar a surpresa. Por outro lado, raras passagens históricas são tão conhecidas quanto o atentado em Dallas. Da que segue, pelo menos, eu nunca tinha ouvido falar. E

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

Notas soltas: Somalia, Suburra e Pancetti

#DoNotPrayForSomália O que impressiona mais sobre a Somália? As centenas de mortes ou o nosso silêncio? Ou a vulnerabilidade da desigualdade escancarada até nos números de óbitos de um atentado terrorista? Releve a indelicadeza, freguesa, mas rezar pelos somalis – pelo Vale do Jequitinhonha ou por Cidade Tiradentes – só ajuda a quem transfere o

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
1 Comment  comments 
formats

#SomosTodosCorleone

“Eu nunca quis isto para você. Eu trabalhei minha vida inteira, eu não peço perdão, para tomar conta da minha família. E eu recusei – a ser um tolo – dançando em uma corda, sustentado por todos esses figurões. Eu não peço desculpas, essa é a minha vida, mas eu pensei que quando fosse sua

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments 
formats

Será salto?

Era 1922 quando o Paulo Prado, que não era artista mas era rico e sabia a arte de gastar, contratou uma claque para vaiar a abertura da Semana de Arte Moderna no Teatro Municipal de São Paulo. A vaia, calculada, era a favor. Criando resistência, criou polêmica e botou a modernidade na pauta da cidade

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
Comentários desativados  comments